Monte Verde: hotéis voltam a fechar e prefeitura aplica toque de recolher

Imagem: Monte Verde /Internet

A prefeitura de Camanducaia voltou a proibir o funcionamento de hotéis e pousadas, entre outros estabelecimentos comerciais da cidade. Os turistas, incluindo os que estiverem no distrito de Monte Verde, deverão fazer check-out ainda nesta segunda-feira (25/05). O toque de recolher também será aplicado das 19h às 7h. A nova medida é válida de hoje ao próximo domingo (31/05). 

O novo decreto proíbe proíbe o funcionamento de atividades públicas e privadas que possam promover aglomerações. Entre elas estão atividades educacionais presenciais, cursos de informática, profissionalizantes, de idiomas, de artes e afins, atividades esportivas, culturais e de lazer, como shows e festas. Além disso, exposições, congressos, feiras, missas, cultos e celebrações religiosas não podem ser realizadas dentro ou fora de igrejas ou templos. Eventos que aglomerem 10 pessoas ou mais estão proibidos.

O decreto proíbe o funcionamento de atividades públicas e privadas que possam promover aglomerações. Entre elas estão atividades educacionais presenciais, cursos de informática, profissionalizantes, de idiomas, de artes e afins, atividades esportivas, culturais e de lazer, como shows e festas. 

Bares, restaurantes, lanchonetes, pizzarias, sorveterias, pontos turísticos, atividades relacionadas à construção civil e atividades não essenciais não podem funcionar. Os estabelecimentos poderão trabalhar no sistema delivery. Atividades consideradas essenciais, como farmácias, drogarias, supermercados, açougues, entre outros, continuam funcionando com restrições.

A primeira morte confirmada de morador de Camanducaia foi confirmada neste domingo (24/05). Trata-se um homem de 83 anos, morador de Monte Verde, que estava internado em Pouso Alegre. Conforme a prefeitura de Camanducaia, o município tem 40 casos confirmados de Covid-19, sendo 9 deles na última sexta-feira 22/05). Em uma semana, foram 21 confirmações no município.

Leia a notícia no G1.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *