Comércio sobe pelo 6º mês seguido e vendas estão 8% acima do pré-pandemia

As vendas no varejo registraram o sexto mês consecutivo de alta, demonstrando a recuperação do setor. Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira, 10, o comércio avançou 0,9% em outubro, crescimento maior do que o registrado em setembro, de 0,6%. Mesmo com a redução das parcelas do auxílio emergencial, de 600 reais para 300 reais, as vendas no mês não desaceleraram. Vale lembrar que outubro conta com uma data comercial importante, o Dia das Crianças.

Com mais esse resultado positivo, o nível de vendas no varejo está 8,0% superior a fevereiro, nível pré-pandemia. Em relação a outubro de 2019, o comércio cresceu 8,3%, alcançando a quinta taxa positiva consecutiva e a maior para um mês de outubro desde 2012 (9,2%). “Depois de quedas muito expressivas em março e abril, o varejo vinha em trajetória de crescimento, porém em ritmo de desaceleração – maio (12,2%), junho (8,7%), julho (4,7%), agosto (3,1%) e setembro (0,6%). Esse resultado de outubro mostra um repique para cima, que precisamos ter cuidado para avaliar como uma uma retomada da aceleração. No mínimo, mostra um fôlego da economia num patamar que já estava alto”, analisa o gerente da PMC, Cristiano Santos.

Entre as oito atividades pesquisadas, sete tiveram taxas positivas na comparação com setembro: Tecidos, vestuário e calçados (6,6%), Livros, jornais, revistas e papelaria (6,6%), Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (3,7%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (2,3%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,9%), Combustíveis e lubrificantes (1,1%) e Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,6%). Apenas o setor de Móveis e eletrodomésticos (-1,1%) recuou.

Recuperação das vendas
A retomada das vendas, que estão em um patamar acima do nível pré-pandemia, tem contornos bem peculiares sobre os hábitos de consumo do brasileiro durante o período da crise do coronavírus. O crescimento de venda nas categorias é bem desigual. Móveis e eletrodomésticos, por exemplo, estão 19% acima do nível de fevereiro, o que é explicado pelas pessoas passarem mais tempo de casa e também da recomposição da renda com programas de auxílio. Hipermercados e alimentos, no entanto, cresceram a uma margem menor, de 6,1%. Enquanto isso, combustíveis registram queda de 4,7% se comparado com o nível pré-pandemia. “Hiper e supermercados e Artigos farmacêuticos não tiveram suas lojas fechadas. Além disso, os mercados, logo no início da pandemia, absorveram parte das vendas de atividades que pararam. Já as atividades de Material de construção e Móveis e eletrodomésticos tiveram o impacto do componente renda, com o auxílio emergencial, que propiciou às famílias realizarem pequenas reformas e substituírem itens para a casa”, afirma o gerente da pesquisa.

 

Por Larissa Quintino – Revista Veja

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *