Comércio acredita que terá a melhor Black Friday desde 2010

A última sexta-feira do mês de novembro tornou-se uma das datas mais aguardadas do ano. Além de movimentar bilhões em compras, a Black Friday garante, em todo o mundo, descontos a compradores que procuram economizar. Apenas no Brasil, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima uma movimentação de R$ 3,74 bilhões no próximo dia 27, a maior na data desde 2010.

Para o presidente da Clube dos Diretores Lojistas do Distrito Federal (CDL-DFO, José Carlos Magalhães Pinto, o varejo terá um aumento de 25% na Black Friday deste ano em relação ao ano passado. “Esta é a primeira data comemorativa em que as lojas vão estar abertas este ano, isso vai estimular as vendas nesse momento. Além disso, o prazer de comprar é muito bom e por isso podemos esperar esse aumento”, explicou.

De acordo com estudo divulgado pela VTEX e realizado pela startup Emotions Meter, os sentimentos de usuários do Twitter em relação à Black Friday são de ansiedade, otimismo e alegria. Além disso, conforme a data se aproxima, maior o “desejo de compras”. Essa foi a forma como Júlia Mendes, de 20 anos, se descreveu. Mesmo sem precisar comprar nada específico, a estudante de jornalismo relata que a data é sempre atrativa. “Já comprei um kit de produtos de beleza e estou procurando mais. Percebi uma queda nos preços e estou de olho nos shoppings para comprar produtos importados na sexta-feira.”

Além disso, pesquisa realizada pelo Google também mostrou que os consumidores têm produtos favoritos para essa data. As principais categorias pesquisadas pelos brasileiros, são: celulares (38%), eletrodomésticos (30%), itens de informática (28%), roupas femininas (28%) e televisores (26%). Como é o caso de Yasmin Gurgel, de 20 anos, que está de olho nos eletrodomésticos nessa Black Friday. “Quero comprar um cooktop e estou ansiosa para sexta-feira chegar. Os valores estão padronizados nas lojas e, na internet, o frete ainda está um pouco alto. Minha esperança é um valor melhor na verdadeira data ou, pelo menos, frete grátis no dia.”

E-commerce

Quem tinha receio de compras pela internet precisou se adaptar ao modelo com a pandemia. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), mais 50 milhões de pedidos foram feitos nessa modalidade entre 1º de março e 20 de junho deste ano, com ticket médio de R$ 450.

E não será diferente no próximo dia 27: o e-commerce será o método mais escolhido pelos adeptos da Black Friday. Segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a facilidade e o preço das compras on-line chamam atenção dos consumidores, principalmente pelo apelo promocional que a data estimula. “Em 2020, mais do que em qualquer outra edição, a Black Friday deverá expor a diferença de desempenho entre as lojas físicas e as lojas on-line”, afirmou.

Acostumado com compras on-line, Messias Bittencourt, de 33 anos, conta que sempre compra em lojas maiores e confiáveis para não enfrentar nenhuma adversidade. “Eu sempre tenho receio de demorar na entrega devido à quantidade de pedidos, porém, se o desconto for bom, eu compro sem me preocupar tanto com isso”, relata. O arquiteto de software ainda conta que usa sistemas que o auxiliam a acompanhar o preço dos produtos desejados antes de realizar a compra.

O diretor de operações da Via Varejo, Abel Ornelas, responsável por lojas como Ponto Frio e Casas Bahia, relata que as grandes varejistas estão apostando nas vendas on-line e no maior poder de compra dos consumidores. “Estamos apostando no ticket mais alto, assim como no parcelamento, dando a possibilidade de comprar em 30 vezes sem juros. Além disso, as lojas físicas estão mais integradas com os canais digitais, os aplicativos proporcionam mais praticidade que, somada à segurança de estar em casa, oferecem uma experiência única ao cliente para que a compra on-line aconteça sem preocupações”, afirmou.

 

Por Carinne Souza – Correio Braziliense 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *